ANGOLANA RUDIMIRA FULA FOI PALESTRANTE NA 33ºBIENAL DE ARTES DE SÃO PAULO.
10/12/2018 10:10 em Consulado de Angola no Rio de Janeiro

Á convite da 33ā Bienal de Artes de São Paulo, um dos mais importantes eventos de arte contemporânea do mundo que acontece a cada 2 anos no pavilhão do parque Ibirapuera desde 1950,

a angolana Rudmira Fula realizou no dia 20 de novembro uma palestra sobre questões relacionadas ao continente africano e seu cotidiano como parte da programação do dia da Consciência Negra na cidade de São Paulo.

Em um dos espaços da 33º Bienal destinados a palestras e ações públicas, a pesquisadora e jornalista conversou sobre como são construídas as afinidades afetivas - título desta Bienal - a partir de estéticas hegemônicas e não-hegemônicas que são divulgadas e perpetuadas pela sociedade ocidental,

criando um imaginário irreal e desvirtuado sobre África, do seu povo e culturas. Firmando assim uma imagem de local e pessoas selvagens.

 Fotografias de metrópoles africanas, povos de culturas tradicionais, clipes de músicas e imagens de artistas contemporâneos africanos, além da obra da artista sul-africana Lhola Amira, 

a qual faz parte dos artistas participantes desta edição da 33 Bienal, foram a base da apresentação, a qual teve duas horas e parou um público de aproximadamente 45 visitantes da exposição, além de funcionários.


COMENTÁRIOS